Fiems sedia encontro para discutir inovação em Campo Grande

somos-inovadores-inovação-we-are-innovative-innovation-industria-cni-fiesp-firjan-fiergs-criatividade-brasil-brazil-sao-paulo-porto-alegre-bravence-aldo-della-rosa14

A Fiems promoveu, nesta quarta-feira (09/09), no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), um encontro para discutir ações direcionadas à inovação tecnológica com representantes da Sucitec (Superintendência de Ciência, Tecnologia e Inovação), Sebrae, IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

O 1º vice-presidente regional da Fiems, Luís Cláudio Sabedotti Fornari, destacou que o encontro serviu para ampliar as discussões sobre as parcerias entre os setores públicos e privados e o papel delas nos processos de inovação tecnológica. “É importante a criação desse grupo de trabalho para caminhar com um mesmo objetivo para que Mato Grosso do Sul possa exercer toda a força e capacidade de desenvolvimento”, afirmou.

Na avaliação do diretor-regional do Senai, Jesner Escandolhero, o objetivo principal da reunião é articular, integrar e gerar resultados mais efetivos, promovendo ações que mudem o panorama de inovação e tornem Mato Grosso do Sul uma referência. “A inovação interfere na competitividade do setor industrial, ainda mais diante de fatores macroeconômicos e cenário político desfavoráveis, então precisamos fortalecer isso”, pontuou, lembrando que a primeira reunião do grupo de trabalho será no dia 23 deste mês.

Já o diretor-técnico do Senai, Gilberto Evidio, destacou as ações necessárias para melhorar a competitividade da indústria. “Temos que enfatizar a formação de recursos humanos qualificados, promover inovação para pequenas e médias empresas, apoiar projetos estruturantes, incentivas programas setoriais de inovação”, falou.

O superintendente de CT&I, Renato Roscoe, enfatizou a importância de refletir o papel da ciência e tecnologia no dia a dia de todos. “Quero dizer que aqui nós somos facilitadores desse processo e queremos avançar mostrando o quanto a inovação é essencial até mesmo para melhorar a renda, emprego e o desenvolvimento do Estado”, comentou.

O pró-reitor do IFMS, Luís Simão, defendeu o fortalecimento da educação básica. “Há muitas vagas e interessados, mas não se consegue preencher nem 50% e nós temos um grande volume de qualificação, mas elas não têm essa base da educação”, disse.

Já o coordenador da unidade de economia, estudos e pesquisas do Sistema Fiems, Ezequiel Martins, fez um panorama das principais dificuldades encontradas no segundo semestre de 2015 e disse que a solução para a crise está na inovação para melhorar a competitividade das empresas. “A Sondagem Industrial demonstra que as principais dificuldades são o alto custo da energia, carga tributária, demanda insuficiente e o alto custo da matéria-prima”, comentou.

Você também poderá gostar...