Humanos têm aprendido a se localizar usando eco, como golfinhos

Pesquisadores ensinaram pessoas a “enxergar uma sala” sem usar os olhos – e elas desenvolveram o superpoder com uma facilidade impressionante.

Morcegos e golfinhos não precisam enxergar bem para se localizar no ar e no oceano. Eles dependem da ecolocalização. Em termos simples: fazem barulho, esperam as ondas sonoras baterem nos obstáculos à frente e voltarem.

Ecos mais rápidos significam obstáculos mais próximos e a intensidade do som que retorna também provê informações sobre o ambiente ao redor.

É um sonar biológico, com um transmissor (a boca) e dois receptores (os ouvidos). Mas será que dá para transformar humanos em máquinas de ecolocalização?

Segundo um novo estudo da Universidade Ludwig-Maximilians, não só é possível como é fácil – e nós ficamos muito bons nisso.

O Demolidor dentro de você

Já faz parte do senso comum a ideia de que a audição de pessoas cegas é mais rica em detalhes que a das que enxergam normalmente, para tentar compensar a perda de percepção visual. Mas a pesquisa mostra que dá para desenvolver o mesmo superpoder sem perder a visão.

Os cientistas treinaram brevemente os voluntários – um cego e 11 pessoas com visão normal – para liberar seu Demolidor interior.

Eles foram levados a uma câmara anecóica, que não faz nenhum tipo de eco. Lá dentro, os pesquisadores colocaram sons de línguas estalando (aquele cleck feito contra o céu da boca), gravados em prédios diversos.

Cada áudio era correspondente ao eco que o cleck fazia dentro de salas de diferentes tamanhos. Os pesquisadores ensinaram cada pessoa a notar as pequenas variações no som quando o cômodo era maior ou menor.

Não precisou de muito mais treino que isso. Logo depois, os pesquisadores criaram um modelo virtual em 3D, que captava sons e reproduzia o eco de acordo com o tamanho da sala programada pelos pesquisadores.

Os voluntários faziam estalos com a língua e o som voltava em fones de ouvido que isolavam outros sons externos.

Além disso, os voluntários foram colocados dentro de um aparelho de ressonância magnética para analisar o cérebro deles enquanto usavam a ecolocalização.

Os que foram pior no teste diferenciaram salas com 16% de diferença de tamanho. É quase a diferença entre os estádios do Maracanã e do Pacaembu – imagine saber dizer qual é qual, de olhos fechados, só fazendo sons de estalinhos com a boca.

Já os melhores no teste, com verdadeiros superpoderes, conseguiam diferenciar cômodos quase iguais, com só 4% de variação no tamanho. O desempenho médio ficava entre 6% e 8%, uma performance muito boa para uma diferença tão pequena.

Além do desenvolvimento rápido dessa habilidade, o cérebro dos voluntários também surpreendeu os cientistas. Isso porque, nos voluntários que enxergavam normalmente, a área do cérebro ativada era o córtex motor, responsável pelo movimento.

Quanto maior o cômodo virtual, mais ativo ele ficava. Assim, quando eles ouviam o som, o cérebro agia como se estivesse andando naquelas redondezas.

No voluntário cego, porém, o córtex visual ficava ativo, apoiando a tese de que eles “visualizam” as ondas sonoras como substitutas para o déficit de percepção visual.

O estudo foi realizado com um grupo muito pequeno para que as conclusões, especialmente sobre o funcionamento do cérebro, possam ser generalizadas para qualquer pessoa.

Mas a pesquisa é um forte indício de que pessoas com visão normal podem desenvolver ecolocalização com  facilidade – e que, portanto, Matt Murdock poderia ter se tornado um herói mesmo sem ter ficado cego.

Você também poderá gostar...